Notícias

12/03/2020 02:57

Lesão de Athos e antijogo do Brasil de Farroupilha marcam o empate entre VEC e BFA

Compartilhe:

Lesão de Athos e antijogo do Brasil de Farroupilha marcam o empate entre VEC e BFA

Talvez a maior preocupação não seja o empate em casa, pois este resultado foi suficiente para que o Veranópolis Esporte Clube subisse uma posição na tabela de classificação, ficando a 2 pontos do líder Glória. Na temporada passada, o departamento médico do VEC foi muito movimentado, sendo um dos fatores que prejudicaram o desempenho da equipe em 2019. Na partida de hoje, a forma como nosso atleta Athos saiu, ainda na primeira etapa, deixou todos preocupados. Tendo em vista que Eduardinho, outro jogador fundamental para o elenco, ainda encontra-se em recuperação. Eduardinho deve estar à disposição do técnico Cristian para os jogos de volta da primeira fase. No entanto, o tratamento do meia Athos poderá se estender até o início dos matas. A necessidade de intervenção cirúrgica dependerá dos resultados dos exames nos próximos dias, pois mostrarão a gravidade da lesão.
O confronto da noite desta quarta-feira, 11 de março de 2020, começou com um Veranópolis Esporte Clube dominando a partida, buscando o gol com tranquilidade. Assim, até os 23 minutos da primeira etapa os goleiros de ambos os lados foram pouco exigidos. Até que, aos 24 minutos de jogo, o VEC assusta o adversário em um escanteio que Marcos Paraná cobrou e Madalena arrematou para fora. A conclusão de maior perigo de toda a partida ocorreu aos 32 minutos, quando Madalena em um chute cruzado carimbou o poste da equipe do Brasil de Farroupilha.
A etapa complementar irritou dirigentes, jornalistas e a torcida. O que se viu em campo foi um claro antijogo da equipe do Brasil, a cada lance e disputa um jogador caia e a maca era acionada para levar os atletas até a beira do gramado, para que em instantes, os mesmos retornarem ao jogo sem dificuldade. A equipe do VEC começou a imprimir um ritmo de jogo mais agressivo, dominando a intermediária adversária, sendo seu melhor momento a cobrança de escanteio que Marcos Paraná cobrou e Léo Dagostini cabeceou, obrigando o goleiro adversário a fazer uma defesa difícil. A arbitragem foi condescendente com a estratégia do Brasil, pois deu apenas 6 minutos de acréscimo, sendo que somente a primeira paralisação já ultrapassou os 3 minutos.
Uma grande dúvida, com a queda do VEC para o acesso, era se os Pentacolores compareceriam ao estádio nesse momento difícil. Essa dúvida não existe mais, os torcedores estão comparecendo ao ADF e apoiando a equipe. Talvez o único ponto que poderia ter sido diferente nesta partida, fosse relacionado com a tardia pressão impressa pela equipe do VEC, que só apareceu depois dos 30 minutos da etapa complementar. Pois com o antijogo do Brasil, o Veranópolis teve pouco tempo de bola rolando com verdadeira pressão contra o adversário. A torcida exige porque acredita no investimento que foi feito nesses atletas. Embora o departamento de futebol já tenha confirmado que existem atletas acertados com o clube e que reforçarão o elenco para os matas, é nesta equipe que se apresentou que estão depositadas as esperanças da cidade de Veranópolis. Com todo o respeito a equipe adversária, mas diante deste adversário dentro do ADF a sensação é que ao invés de ganhar 1 ponto o Veranópolis perdeu 2. Nosso próximo confronto é fora de casa contra a boa equipe do Igrejinha. O gramado do Alberto Carlos Schwingler tem boas condições de jogo, sendo que o confronto tem a tendência de ser aberto, pois a equipe do Esporte Clube Igrejinha, jogando em casa, buscará a vitória. A equipe adversária terá que encarar a Zaga do Veranópolis Esporte Clube, que foi a única que ainda não foi vazada, este confronto deverá ser um dos jogos mais emocionantes dessa primeira fase.

 

Juliano Holderbaum/MasterLynK

Voltar ao topo